O VOCALISMO POSTÔNICO NÃO FINAL EM TRÊS ESTILOS DA FALA CULTA FLUMINENSE

Alessandra de Paula

Resumo


O presente trabalho discute a conservação de vogais médias postônicas não finais /e/ (“hipót[e]se”) e /o/ (“monól[o]go”) na fala culta fluminense, em três estilos discursivos: fala espontânea, fala monitorada e elocução formal. O uso das médias entre os falantes cultos fluminenses é um aspecto de resistência diante do processo de alteamento que atinge fortemente este contexto fonológico no português, com a tendência de mudança para um quadro de três fonemas, /i a u/ (BISOL, 2003, 2010), que já está implementado na fala popular (DE PAULA, 2015) – apesar de a vogal anterior /e/ mostrar-se mais resistente que a posterior /o/ – desde a década de 1970 (CAMARA JR, 1970; DE PAULA, 2010) até os dias atuais. O objetivo do trabalho, que segue os preceitos da Sociolinguística (LABOV, 1972, 1994), é registrar os resquícios das variantes conservadoras nas últimas décadas, considerando-se que o processo de alteamento está em fase final de implementação. Os resultados demonstram, pela comparação entre os diferentes estilos discursivos, que a escolaridade e o monitoramento do discurso estão vinculados à permanência das médias /e/ e /o/ na atualidade.

Palavras-chave


sociolinguística; fala culta; vocalismo postônico

Texto completo:

PDF


Locations of visitors to this page