MIA COUTO: A EXPRESSÃO AFRICANA DE LITERATURA UNIVERSAL

Flavio Biasutti Valadares, Carla Cristina Fernandes Souto, Marta Batista Ordoñez Antezana

Resumo


O artigo faz uma abordagem sociolinguística do conto Na tal noite, do escritor moçambicano Mia Couto, apontando, de acordo com as ideias de Auroux, que os instrumentos linguísticos contêm saberes metalinguísticos que expressam a ideologia dos autores sobre a própria língua, no caso do português falado em Moçambique, herdada do colonizador. Tal processo gerou uma literatura original, que relaciona o local e o universal, trabalhando o conflito entre a cultura autóctone e a língua trazida da Europa, numa crítica aos que herdaram o poder após as guerras de independência e a descolonização, conforme aponta Venâncio. Para a análise, consideram-se fundamentais os processos de variação linguística, mormente os que se relacionam à cultura e ao estilo. É fulcral a influência de fatores como as instâncias de poder e o condicionamento da vida em comunidades linguísticas em relação à construção de significados sociais, moldando a estrutura linguística no cotidiano. Ao abordar o conto Na tal noite, demonstra-se que a língua portuguesa moçambicana apresenta, assim como o português de cada um dos países lusófonos, variedades associadas à cultura local, mas também a usos comuns aos demais. Portanto, acredita-se que o autor demonstra sua perspectiva de construção de um espaço no qual a convivência de influências linguísticas e culturais é patente, ao mesmo tempo em que acentua as especificidades moçambicanas na sua escolha vocabular e de elaboração textual.

Palavras-chave


História das Ideias Linguísticas. Lusofonia. Sociolinguística.

Texto completo:

PDF


Locations of visitors to this page