A década de 1870 e as políticas de “instrução popular”: a complexa arquitetura do Liceu de Artes e Ofícios do Recife

Marcelo Mac Cord

Resumo


Ao final da Guerra do Paraguai, o governo imperial procurou fomentar uma política de “instrução popular”. No bojo deste debate, as elites letradas e proprietárias pernambucanas planejaram a criação do Liceu de Artes e Ofícios do Recife. Apesar do esquecimento historiográfico, outras personagens, oriundas das classes subalternas, também participaram ativamente da criação da escola profissionalizante. Em especial, um grupo de mestres de ofício, descendentes de africanos ou não, conseguiu impor suas demandas e protagonizar aquele processo de implementação. Associados em uma mutualista fundada em 1841 por artífices pretos e pardos ligados às edificações, eles tinham orgulho de suas profissões, acumulavam grande experiência na instrução artística de trabalhadores e compartilhavam forte senso identitário, pois eram herdeiros da cultura corporativa. Apesar de conviverem com todos os estigmas reputados aos artistas mecânicos, eles lutaram cotidianamente por seu reconhecimento social.


Palavras-chave


Homens livres pobres. Elites. Modernização. Indústria. Educação. Etnicidade.

Texto completo:

PDF


Locations of visitors to this page