Comparação da incidência, da prevalência da colonização, e da resistência de Staphylococcus aureus em diferentes populações humanas

Victor Maurílio Pinto Bastos, Antonio Neres Norberg, José Tadeu Madeira de Oliveira, Fabiano Guerra Sanches, Oscarino dos Santos Barreto Junior, Nicolau Maués Serra-Freire

Resumo


Entre junho/2003 e janeiro/2004, utilizando amostras de secreção nasal de três grupos distintos de populações humanas, foram comparados indicadores de saúde de coeficiente de incidência, coeficiente de prevalência da colonização, e a resistência de cepas de Staphylococcus aureus entre as populações. O grupo I foi formado por 100 estudantes de um colégio de ensino médio da cidade do Rio de Janeiro, e caracterizado como grupo comunidade; o grupo II foi formado por 150 profissionais de saúde em atividade em um hospital, designado grupo hospitalar; o grupo III = grupo isolado, foi composto por 259 indígenas da etnia Terena da aldeia Moreira, município de Miranda, estado do Mato Grosso do Sul, Brasil. Os procedimentos laboratoriais foram realizados no Laboratório de Pesquisa em Doenças Parasitárias da Universidade Iguaçu. O material foi semeado em placas de Petri contendo os meios de cultura ágar-sangue de carneiro e ágar-hipertônico-manitol, incubados em estufa bacteriológica a 37oC por 24 horas. A identificação de S. aureus foi realizada por caracteres morfotintoriais face ao método de Gram, presença de hemólise, fermentação do manitol, provas: de catalase, coagulase e desoxirribonuclease. A cepa padrão utilizada como controle foi a ATCC 25923. Para o teste antimicrobiano, foram utilizados discos impregnados com: penicilina G, gentamicina, clindamicina, eritromicina, oxacilina, vancomicina, ciprofloxacina, sulfametoxazol-trimetropim, nitrofurantoina, rifampicina, cefazolina e ampicilina-sulbactam. Foi comprovada a infecção por S. aureus no grupo comunidade em 27 estudantes (CP = 27%); todas as cepas isoladas apresentaram boa sensibilidade aos antibióticos testados, exceto à penicilina G. No grupo hospitalar 25 profissionais estavam infectados (CP = 16,7%), e nas cepas isoladas foram observadas altas taxas de variação na sensibilidade aos antibióticos testados. No grupo isolado, foi calculado CP = 12,4% de amostras positivas, sendo uma delas sensível à penicilina G. Em 12 (48%) das amostras do grupo isolado, observou-se resistência à oxacilina. Pela análise estatística ficou demonstrada maior frequência de infectados entre os indivíduos do grupo comunidade (teste binominal; p


Palavras-chave


Staphylococcus aureus, hospedeiros humanos, risco de infecção

Texto completo:

PDF


Locations of visitors to this page