O PASSAGEIRO DAS TREVAS: O ANTAGONISMO DOS PECADOS E A DESIGUALDADE DA MORAL EM FRANKENSTEIN

Thiago dos Santos Braz da Cruz

Resumo


O objetivo da pesquisa é mostrar como a figura do monstro na literatura universal pode acionar um mecanismo de recusa dos paradigmas elogiados no período, ao mesmo tempo em que reproduz “o outro” humano — arquétipo sombra (JUNG, 2002). Aqui, nos deteremos na obra gótica, Frankenstein, de Mary Shelley (1831), entendendo a preconizada deformidade do personagem monstruoso não somente como marca de excludência, complexo de inferioridade ou ode à vitimização; mas também como transgressão do modelo vigente e alternativa à sobrevivência, fundamentando-se no anticristo de Nietzsche (2010) e no antagonismo de classes de Marx e Engels (2009).

Palavras-chave


Gótico. Modernidade. Monstro. Frankenstein.

Texto completo:

PDF


Locations of visitors to this page